O Segredo Do Jurupari (Mundo das Trevas/Mago: O Despertar 1ª ed.)

O Jurupari impondo pesadelo em sua vítima.

O Jurupari impondo pesadelo em sua vítima.

O Jurupari é um personagem mitológico dos povos indígenas da América do Sul. Na época da chegada dos primeiros europeus ao continente (século XVI), o Jurupari possuía o culto mais difundido entre a população indígena, com algumas tribos o venerando, como os Aimorés, que praticavam antropofagia em sua honra, e outras que o temiam. Segundo a crença nativa o Jurupari seria o deus da escuridão e do mal, que visitaria os índios enquanto dormiam, assustando-os com pesadelos e presságios de perigos horríveis, impedindo, entretanto, que suas vítimas gritassem – o que, por vezes, causava asfixia.

O nome Jurupari seria algo como “Aquele que tapa a boca“, ou “O Boca Torta“, devido a sensação de impotência a qual ficavam os índios, sem poder gritar ou falar, quando tinham pesadelos. Os Jesuítas reforçaram essa visão, quando passaram a ter contato com os nativos, tentando explicar o porquê deles terem essas visões quando dormiam e não podiam se mexer. Visando combater esses cultos os missionários católicos que aqui chegaram passaram a associar o Jurupari ao diabo cristão, e por isso a associação de seu nome com o Demônio.

No cenário de Mago: O Despertar o Jurupari será um Acamoth preso no Mundo Decaído, inicialmente restrito as florestas tropicais da América do Sul quando a escada que levava ao Mundo Superno foi destruída. Esse Acamoth passou a impor pesadelos entre os nativos locais para que pudesse ter contato com o Abismo no qual habitava. Nem todos resistiam a esses pesadelos e acabavam enlouquecendo no processo, enquanto outros passaram a venerar essa criatura e fazer contato com ela. Para os mestres que possuem o suplemento Dark Eras é o momento perfeito para usar o cenário de Mago e Lobisomem no período neolítico, mas adaptado para a América do Sul antes da chegada dos europeus. Use os personagens magos como Xamãs ou Pajés indígenas que tentam proteger suas tribos contra as criaturas do Abismo que estão povoando as matas em volta do local onde vivem.

jurupari

Jurupari, ou Nheengatu para os europeus.

Com a chegada dos europeus o Jurupari, que passou a ser chamado de Nheengatu (“O Selvagem“) pelos portugueses, e encontrou novos aliados. Existiam entre os portugueses e espanhóis alguns iniciados nas artes arcanas que fizeram pactos com o Jurupari com este lhes prometendo conhecimento mágico em troca de ter acesso ao Oneiros de suas vítimas. Seus aliados formaram um culto estruturado de seguidores do Jurupari, que passou a ser chamado de O Segredo do Jurupari.

O culto cresceu e começou a incomodar a coroa portuguesa. Documentos da Igreja Católica registram que homens e mulheres da época apelavam para a feitiçaria, geralmente para alcançar alívio para enfermidades, mas também para alcançar vantagens e poder. Até mesmo padres acabavam corrompidos pela magia e também foram perseguidos e julgados. Para acabar com esse costume os líderes da Igreja enviaram agentes do Tribunal do Santo Oficio, Inquisidores da Igreja Católica, a partir de 1591, para investigar casos de feitiçaria e para combater qualquer tipo de manifestação que representasse uma ameaça contra a hegemonia da Igreja Católica na colônia. Caso queiram jogar nesse período, utilizando como cenário Mago: O Despertar, use personagens Templários encontrados no suplemento em inglês Magical Traditions, pág 81, para criação de personagens. Caso decidam usar como cenário o Mundo das Trevas use um grupo de Caçadores infiltrados na Igreja Católica, como mostrado na pág. 44 do suplemento Antagonistas publicado no Brasil pela Devir. Os cultistas foram perseguidos, presos, julgados e condenados pela Inquisição, mas o culto se escondeu nas sombras, ficando escondido e passando o conhecimento de geração em geração, até chegar aos dias de hoje. Vamos a descrição do culto e como seus adeptos se organizam nas grandes cidades.

O Segredo de Jurupari

Um dos maiores cultos sombrios esquecidos dentro do Brasil, O Segredo de Jurupari, busca o total entendimento das coisas místicas evitando que qualquer um fora do culto saiba dos segredos. Apenas homens podem fazer parte do culto, sendo impedido que mulheres participem da revelação dos grandes segredos. Eles acreditam que os segredos devem ser mantidos entre os iluminados e merecedores, ou seja, apenas aqueles capazes de fazer contato com o Acamoth, que eles chamam de Jurupari.

Os membros do Segredo procuram de todo modo encontrar qualquer coisa que possa lhes garantir maior sabedoria e poder, escondendo isso o máximo possível de outros fora do culto. Eles louvam essa entidade permitindo que ela acesse seu Oneiros, lhes infringindo pesadelos horríveis, em troca de poder e conhecimento. Com o avanço da internet o culto pode aumentar seu número de cultistas pelo Brasil sendo que sua base mudou recentemente para Vitória, no Espírito Santo. Hoje o culto já conta com aproximadamente mais de duzentos membros fiéis espalhados pelo Brasil. Use as regras para criação de personagens cultistas como visto na pág. 364 do livro básico de Mago: O Despertar 1ed, lançado no Brasil pela Devir, que descreve os Scelesti, magos adoradores do Abismo e as criaturas que surgiram de lá. Caso tenha acesso a material em inglês use as regras da pág. 59 do suplemento Left-Hand Path que descreve o legado dos Scelesti mais detalhadamente. Podem ser usadas também as regras para criação de Seitas e Cultos descritos no suplemento Antagonistas na pág. 74.

Entidade adorada : Jurupari ou Nheengatu (Na verdade um Acamoth poderoso preso no Mundo Decaído há incontáveis séculos)
Outras entidades : nenhuma a não ser os servos de Jurupari (Gulmoths convocados do Abismo)
Objetivos : Acumular o maior número possível de segredos, recebendo Investiduras e entregando acesso a seu Oneiros ao Jurupari.
Efeitos da fé : Os servos de Jurupari não podem ter Sabedoria maior que cinco, pois nenhum deles conseguem passar desse ponto.
Sede : Atualmente em Vitória/ES
Dias de Reunião : Todo dia 27 de cada mês.
Oblações : sacrifícios de pessoas de forma ritual, prática de canibalismo, espalhar a loucura em outras pessoas, encontrar vítimas inocentes que permitam que o Acamoth as visitem em sonhos e lhes provoque pesadelos.

O Jurupari – Demônio dos Pesadelos

a-besta

Jurupari, o “Boca Torta”.

Posto: 7

Como todos os espíritos de Posto superior a 5 as características desse personagem são desnecessárias porque são seres divinos. Todos os testes feitos contra essa entidade, que tentem subjugá-la ou confiná-la contra sua vontade, sofrem uma penalidade de -7.

Influência: Pesadelos Abissais 5

Nume: Investir: Como todo Acamoth ele é capaz de conceder Investiduras para os magos que o cultuam ou façam pacto com ele;

Materialização: O Jurupari quando precisa se materializa em nosso mundo. Ele se materializa como é na verdade no Reino das Sombras, ou então as vezes usa uma versão destorcida de como ele acha que se parece na forma humana.

Interdição: Ele é obrigado a conceder Investidura para cada teste de Degeneração que provocar durante o passeio que der pelo Oneiros do Mago.

(Adaptado de um texto original encontrado em http://www.oocities.org/tejuma/sejuru.htm)