Conduzindo Sua Primeira Campanha no V5 – O Jogo Seguro.

download

Após termos discutido nos artigos anteriores sobre a construção do universo e do cenário onde irá acontecer a crônica, neste artigo iremos abordar um assunto muito importante sobre a narrativa quando se trata de RPGs com uma temática tão forte quanto Vampiro: A Máscara 5ª Edição, que é o jogo seguro. E porquê iremos discutir isso? Por que cada vez mais se torna importante e inclusivo discutirmos a segurança de todos os jogadores envolvidos na mesa para que todos possam desfrutar de um ambiente saudável e divertido.

O AVISO

download (1)Vampiro: A Máscara sempre foi um jogo controverso, porque diferente de outros jogos de RPG os jogadores não jogam com os heróis do jogo, mas com os monstros que povoam o cenário. Por conta disso ele sempre vem acompanhado de avisos sobre o jogo ser indicado para pessoas mais maduras e que possam lidar com os temas presentes nele. Entretanto algumas dessas pessoas maduras acreditam que lidar com essas temas é levá-los ao limite já que em tese estariam jogando com outras pessoas também maduras, o que no passado já causou muita polêmica e controvérsia, inclusive em fóruns de discussão.

Na página 36 do livro básico há um aviso sobre limites individuais que diz o seguinte:

Quando você joga Vampiro: A Máscara, você quer que coisas horríveis pareçam horríveis, mas você também quer que seu jogo permaneça jogável e acessível aos seus jogadores. Há limites dos quais os horrores parecem ser muito individuais e esses limites é algo que você deve discutir com seu grupo antes do jogo começar.

Ou seja, antes de começar sua crônica defina com seus jogadores os temas de horror que poderão ser apresentados nela. Uma pessoa pode não querer ver o narrador descrevendo uma cena de estupro, ou de mutilação, tanto por ser algo que o deixa desconfortável, como pode ter sido vítima de uma dessas situações. Lembro que uma vez discutindo com um jogador na rede sobre cenas impactantes em uma crônica ele me contou que para provocar o príncipe da sua cidade seu personagem havia se auto-mutilado e jogado a parte do seu corpo na cara do príncipe. Sinceramente me senti desconfortável com a descrição completa da cena, do qual omito aqui por motivos óbvios, mas percebia que ele contava todo orgulhoso sobre aquela cena. Pra mim Vampiro: A Máscara é um jogo de horror psicológico, não necessariamente gore, por isso evito isso em minhas aventuras.

imagesAlguns irão dizer que Vampiro é um jogo adulto e que as pessoas sensíveis então não devem jogá-lo, mas não é bem assim. Concordo que é um jogo adulto, com temas maduros e que pessoas mais sensíveis aos temas abordados no jogo devem ser avisadas antes de jogá-lo, mas não privadas de jogar, até porque podemos fazer toda uma crônica sem precisar que alguns desses temas, como morte, mutilação, submissão, sexo, sejam abordados de maneira ofensiva e pejorativa na narrativa. O objetivo do jogo é diversão, e isso pode ser construído com uma boa discussão antes com seu grupo. Se todos quiserem algo mais forte e chocante, tudo bem, mas se preferem algo que provoque menos desconforto é algo que deve ser levado em conta.

O APÊNDICE III DO PDF

Quem adquiriu a versão eletrônica do livro base, em PDF, se deparou com o Apêndice III, intitulado “Advice for Considerate Play” (Conselho para um Jogo Atencioso), que estranhamente foi suprimido da versão física. Em seu texto é discutido assuntos sobre como tornar o jogo seguro para todos, evitando temas que possam deixar alguns jogadores desconfortáveis ou que possam fazer apologia a algumas ideologias, como a fascista por exemplo, que tem ganhado força em alguns países (Brasil, por exemplo) e que tem um discurso totalitário contra minorias. Em um dos seus parágrafos está o conselho:

“Vampiro: A Máscara não é um jogo simpático ao fascismo. Se você é um neo-nazista, “alt-righter”, ou seja lá o que você está se chamando hoje em dia, nós pedimos que você feche este livro e ligue para alguém em quem você confia para falar sobre onde você está errando em sua vida.”

O texto discute que Vampiros possuem perversões e são capazes de maldades, mas que os jogadores e o narrador devem ficar atentos se isso faz parte da narrativa do jogo, ao qual os personagens devem ser contras, ou apenas serve para reforçar um discurso de ódio contra outras pessoas.

Resultado de imagem para playing rpg vampireO texto também discute sobre violência sexual, e como isso pode incomodar algumas pessoas que não querem ver isso no jogo por questões de princípios ou por terem sido vítimas deste tipo de violência. Por isso se torna importante a questão dos limites dos assuntos, ou situações, que não devem ser abordados na sessão de jogo. Estupro é uma questão muito séria, e um tipo de violência que deixa marcas profundas em suas vítimas. Tratar sobre esses assuntos em um jogo de ficção, onde o objetivo é a diversão, não me parece ser a coisa mais saudável. Então se você é narrador e acha que este tipo de violência expressa horror pessoal, seria bom você procurar entender melhor o que vem a ser este conceito.

Ganha importância nessa discussão as Chronicles Tenets (Princípios da Crônica), presentes nas páginas 172-173 do livro básico, onde narrador e jogadores discutem sobre os limites da narrativa. Lembrando sempre que os jogadores interpretam personagens que apesar de serem monstros para a sociedade são os heróis do jogos, e por isso devem mesmo cercados de degeneração moral, manterem-se humanos. Afinal ações que os jogam mais perto da Besta os fazem perder humanidade, e com o tempo o próprio personagem. Aliás essa é uma excelente ferramenta para que o narrador possa sempre lembrar ao grupo que devem se manter humanos na crônica.

Por fim o apêndice termina com técnicas de narrativa para que sejam evitadas essas situações. Uma das que mais gostei se chama Spotlight System (Sistema de Semáforo)  e lembra muito os Protocolos de Segurança desenvolvidos pelo professor Jorge Valpaços em seu RPG Arquivos Paranormais, publicado pela Editora Avec (se quiser ver a resenha sobre este excelente RPG clique AQUI).

No Sistema de Semáforo o narrador desenha três círculos em uma folha de papel e coloca sobre a mesa. Cada um deles será pintado nas cores verde, amarelo e vermelho. Cada cor indica uma resposta dada pelos jogadores a diferentes níveis de intensidade da narrativa. Verde significa “Sim, eu estou bem com a cena ficando mais intensa”. Amarelo significa “A cena está bem no nível de intensidade que está agora, e eu gostaria que ficasse aqui se possível”. Vermelho significa “A cena está muito intensa para mim de um jeito ruim e preciso que diminua a intensidade ou eu caio fora.” Os jogadores podem tocar nos círculos coloridos conforme apropriado, para indicar ao Narrador o que eles querem ou precisam naquele momento. O Narrador também pode usar o Sistema de Semáforo para perguntar aos jogadores se eles gostariam que a intensidade fosse aumentada ou diminuída conforme necessário sem quebrar o fluxo narrativo. 

Os Protocolos de Segurança desenvolvidos por Valpaços também são mecanismos de defesa que são acionados quando um tema sensível, perturbador ou desconfortável é citado na sessão de jogo, fazendo com que procedimentos específicos sejam postos em prática. A diferença é que esses assuntos são definidos pelo narrador e jogadores em conjunto antes da sessão de jogo.

Existem três tipos de protocolos: Amarelo, Laranja e Vermelho. No protocolo laranja temas definidos pelo grupo antes da sessão devem ser abordados de forma rápida e discreta, não sendo necessário uma descrição detalhada de toda a cena. Já no protocolo laranja o assunto deve ser abordado de forma sutil e bem superficial, podendo ser usadas metáforas e figuras de linguagem. Finalmente no protocolo vermelho o limite estabelecido antes foi ultrapassado e a sessão é interrompida para que todos possam discutir o que houve, já que o que foi combinado antes foi desrespeitado por alguém.

Esse tipo de mecanismo de defesa para trazer segurança ao jogo é bem eficaz e pode ser adotado em qualquer sistema de jogo ou cenário. Ele provoca uma discussão e uma postura por parte dos integrantes do grupo que permite uma sensação de segurança para todos.

O RESPEITO

Por fim outro ponto importante a ser discutido no jogo é a maneira como os integrantes do grupo se referem uns aos outros ou interagem entre si quando interpretando seus personagens. Meus grupos de jogos são compostos por amigos que se conhecem dos círculos de jogos que transitamos, por isso não temos problemas de assédio ou discriminação de qualquer tipo, mas é algo que vem acontecendo muito em vários grupos pelo país a fora, a ponto de serem necessários a criação de espaços para que principalmente as mulheres possam se sentir seguras na hora de jogar. Não preciso dizer o quanto isso é babaca e que se o narrador perceber que algo do tipo está acontecendo na sua mesa de jogo deve IMEDIATAMENTE chamar a atenção do jogador ofensivo e até mesmo excluí-lo do grupo se achar necessário.

Deve-se evitar também na narrativa situações que reforcem preconceito ou discriminação com integrantes do grupo, sejam eles baseados em gênero, orientação sexual, cor ou crença religiosa, ou discursos que queiram justificar essas práticas através dos atos dos Vampiros, procurando esconder uma posição ideológica desrespeitosa em relação as minorias. Essas situações também devem ser discutidas antes da sessão alertando a todos que evitem algo do tipo para que o jogo possa ocorrer sem maiores problemas e com diversão para todos.

Espero que todos lembrem-se que os monstros só existem em nossa mesa de jogo na ficção. Não devemos nos tornar monstros apenas porque estamos lendo e participando de uma sessão de Vampiro: A Máscara. Procure sempre fazer seu teste pessoal de humanidade e procure se manter humano. Será melhor para todos, será melhor para o jogo. Boa diversão com jogos seguros.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s