5 Board Games Que Você Precisa Jogar Em 2017.

 

Board Game

O mercado de jogos de tabuleiro no Brasil continua de vento em popa, apesar da crise, e vários jogos estão sendo prometidos de serem lançados este ano por aqui. Além disso, em 2016 vários jogos foram lançados ao mesmo tempo, fazendo com que os jogadores ficassem sem saber do lançamento, ou não conseguissem comprar alguns deles por quê se esgotaram rapidamente. Por conta disso resolvi listar cinco jogos de tabuleiro que todo jogador de board game não pode ficar sem jogar em 2017 de maneira nenhuma. Entre eles estão jogos que foram lançados e outros que ainda irão chegar as lojas. Vamos então a essa pequena lista.

Sçythe

Scythe, que está em pré-venda pela Fire on Board, é um jogo que arrecadou mais de 1.8 milhões de dólares em financiamento coletivo no Kickstarter, desenvolvido por Jamey Stagmaier, mesmo designer, entre outros jogos, de  Euphoria: Construindo Uma Melhor Distopiajogo também lançado pela Fire on Boad no Brasil. Ele é um jogo de tabuleiro ambientado em um 1920 alternativo onde as nações saíram da primeira guerra mundial pensando em se reerguerem e precisando desenvolver sua agricultura e industria bélica, se preparando para novos conflitos que possam surgir.

Ele é um jogo para 1-5 jogadores (Isso mesmo! Ele pode ser jogado em modo solo), com duração média de 90 a 115 minutos. Em Scythe cada jogador representa um personagem de uma das cinco facções da Europa Oriental (Nórdicos, Saxônicos, Poloneses, Criméios e os Rusviéticos). Cada país tem vantagens únicas, com exércitos diferenciados e jogabilidades assimétricas. Cada jogador começa o jogo com recursos (poder, moedas, força de combate, recursos e popularidade), um local de partida e objetivos diferentes. As posições iniciais são especialmente escolhidas para garantir o equilíbrio das partidas, e para aperfeiçoar as habilidades especiais de cada facção e a natureza assimétrica do jogo. É um jogo de alocação de trabalhadores, administração de recursos e controle de territórios. Os jogadores trabalham para levar seu país à vitória conquistando território, recrutando mais tropas, acumulando recursos, e construindo máquinas de guerra que se parece com Mechas.

O jogo usa um mecanismo de ação simultânea de seleção dirigida por cartas para manter o jogo em movimento e em ritmo acelerado, com os jogadores, se revezando individualmente para realizar as ações no tabuleiro. 

Scythe ganhou muita repercussão devida suas imagens de divulgação impressionantes que se parecerem com pinturas a óleo feitas na época da guerra, misturando a paisagem rural da Europa com máquinas de guerra monstruosas. O jogo vem recebendo grandes elogios por parte dos jogadores e da crítica, tendo gerado muita expectativa para sua chegada ao mercado nacional. Na pré-venda, que está rolando em vários sites de vendas de jogos, ele está saindo a R$379,90, mas depois de lançado irá custar cerca de R$419,90.

Ele teve uma edição de colecionador que já se esgotou, lançada no final do ano passado, aonde entre outras diferenças da versão retail vinha com moedas de metal.

Pandemic – No Limite

8436017223835_-_pandemic_expans_o_no_limiteCom a chegada de Pandemic: Legacy e todo o estardalhaço (merecido por sinal) que se fez sobre essa versão do jogo lançado no Brasil pela Devir, pode parecer estranho que se diga para jogar uma expansão do jogo base, mas No Limite é diversão garantida para todos os fãs deste incrível jogo da Z-Man Games. Nessa nova versão são acrescentados sete novos personagens, oito novas cartas de eventos, mais cartas de Epidemia para aumentar o nível de dificuldade do jogo (como se ele já não fosse difícil o bastante) três novos tipos de desafios, Placas de Petri para colocar os marcadores que representam as doenças, além de permitir partidas com cinco jogadores.

Desenvolvido por Matt Leacock e Thomas Lehmann para ser jogado por 2-5 jogadores, com tempo médio de 45 minutos, No Limite trás entre os novos desafios a versão Estirpe Virulenta. Nela são retiradas as cartas de Epidemia do conjunto básico e substituídas pelas novas cartas de epidemia da Estirpe Virulenta, levando em consideração o nível de dificuldade escolhida pelo grupo de jogo. Cada vez que se compra uma carta de Estirpe Virulenta há um texto adicional que deve ser obedecido além do texto normal que vem nas cartas de epidemia. A cor da doença que será a Estirpe Virulenta do jogo será determinada quando for comprada a primeira carta de epidemia da Estirpe Virulenta, quando então é puxada a última carta do baralho de infecção.

No desafio Mutação há a adição de uma quinta doença, a roxa. Agora além de ter que se encontrar a cura para as 4 doenças do jogo base os jogadores precisam encontrar a cura para esta quinta doença ou então erradicá-la do tabuleiro quando a cura para a quarta doença acontecer. Nesse desafio são colocadas duas cartas de Mutação na pilha de descarte de infecção, e três cartas do evento de Mutação no baralho do jogo. Cada vez que se compra uma dessas cartas são colocadas os marcadores roxos no tabuleiro.

Finalmente o último desafio coloca os jogadores contra um Bio-Terrorista. Nessa versão um dos jogadores do grupo joga contra os outros tentando levá-los a derrota, espalhando marcadores da doença roxa pelo tabuleiro. Caso os jogadores não achem a cura para as quatro doenças e o jogo termine com pelo menos um cubo roxo no tabuleiro o Bioterrorista vence, caso contrário todos perdem.

O Bioterrorista age depois que todos os jogadores fazem suas ações. Ele se desloca pelo tabuleiro secretamente anotando sua posição no tabuleiro em uma folha disponível nessa expansão, infectando cidades com cubos da cor roxa. Ele faz apenas três ações, sendo que uma obrigatoriamente deve ser de deslocamento. O jogo termina com vitória dos jogadores da mesma forma que no desafio Mutação.

Garanto para vocês que No Limite é diversão garantida e trará muitas novidades para as sessões de Pandemic, caso você seja um fã do jogo como eu sou.

Mansion of Madness – Segunda Edição

Mansion of Madness, desenvolvido por Nikki Valens e publicado lá fora pela Fantasy Flight, é um jogo de tabuleiro totalmente cooperativo, podendo ser jogado de 1-5 jogadores (Isso mesmo. Outro jogo que pode ser jogado no modo solo) que ocorre no mesmo universo que Eldritch Horror e Elder Sign, e que como estes também será lançado pela Galápagos Jogos no Brasil. A versão a ser lançada será a segunda edição, que vem recebendo muito elogios por parte dos jogadores, e que tem como grande novidade um app que controla parte do jogo.

O aplicativo está disponível para iOS, Android e para PC. Na verdade, você pode baixá-lo na Steam agora e dar uma conferida se quiser. É um aplicativo projetado para ser essencialmente um Mestre do Jogo, como se fosse um RPG, e é até agora o melhor aplicativo para jogos de tabuleiro, segundo os críticos. Ele gera os mapas, aleatoriza os encontros e narra a aventura, tornando cada partida única.

Para algumas pessoas, inclusive eu, o fato de que Mansions of Madness requerer o uso de um aplicativo pode tornar o interesse no jogo menor, mas ele elimina alguns problemas que havia na primeira edição, inclusive de ter um dos jogadores como o responsável em impedir que todos os outros obtivessem a vitória no jogo, além de tornar o set-up do jogo mais rápido.

Mansion of Madness tem um tabuleiro modular que vai sendo construído conforme os investigadores, em número de oito que podem ser escolhidos pelos jogadores, vão explorando a mansão. Cada turno um investigador pode fazer duas ações: se mover, pesquisar, interagir, explorar ou atacar. Algumas dessas ações são notificadas ao aplicativo, como investigar, por exemplo, e ele informa o que o investigador encontrou, além de contar um pouco da história da mansão. Como em todo jogo que tem um cenário inspirado nos contos de H.P. Lovecraft, Mansion of Madness leva também os investigadores a loucura ao entrarem em contato com criaturas do Mythos e o horror presente na história.

Ele está sendo prometido pela Galápagos para o segundo trimestre deste ano. É ficar de olho e torcer para não enlouquecer enquanto esperam por sua chegada.

Mombasa

Mombasa tem como cenário o período da segunda fase da revolução industrial quando diversas companhias europeias começaram a procurar por oportunidades de mercado e influência na África. Os jogadores acumulam ações dessas empresas, gerenciam a contabilidade, obtêm riqueza e coletam diamantes para ganhar pontos. No entanto, vale a pena notar que nas regras os desenvolvedores do jogo deixam claro que Mombasa não se destina a ser uma “simulação histórica”.

Mombasa tem vários tipos de mecânicas, mas essencialmente ele é um jogo de controle de área com drafting de cartas. Ele é destinado para 2-4 jogadores com tempo estimado de 75 a 150 minutos, dependendo do número de jogadores, tendo sido desenvolvido por Alexander Pfister. Mombasa vem ganhado vários prêmios de jogo do ano desde 2015.

O tabuleiro de jogo representa o mapa de África como postos de comércio para várias empresas se expandirem a partir das cidades onde as suas sedes estão localizadas: Saint Louis, Cairo, Cidade do Cabo e Mombasa. Após sete rodadas, o jogo termina e sua pontuação é contabilizada com base na quantidade de dinheiro que você tem e diamantes, o seu progresso na contabilidade e o valor de cada ação que você possui em uma determinada empresa. O jogador com mais pontos ganha.

Mombasa está sendo trazido para o Brasil pela Meeple BR com previsão de entrega para o final de janeiro. Um jogo que merece a atenção dos jogadores com certeza!

Fireteam Zero

Este jogo, desenvolvido por Mike Langlois, Christian Leonhard, Loic Muzy, e produzido pela Emergent Jogos depois de uma campanha no Kickstarter aonde passou de 200.000 dólares, mistura o horror da II Guerra Mundial com o horror sobrenatural. No enredo do jogo a segunda Guerra Mundial foi apenas uma distração. A luta real pela sobrevivência da humanidade e do planeta não ocorreu na frente de batalha, mas na escuridão, longe das bombas caindo. Poucos homens mais ousados passavam furtivamente por cidades abandonadas com o medo escorrendo por seus ouvidos. Horrores impensáveis subiram à superfície da Terra e cheiraram a sofrimento e sangue. É hora de salvar a humanidade! Os jogadores interpretam quatro soldados que desapareceram do programa de treinamento do recém-formado Primeiro Batalhão Ranger em 1942. Escolhidos por suas habilidades únicas, eles irão lutar em segredo contra inimigos sobrenaturais assustadores.

Fireteam Zero é um jogo cooperativo para até quatro jogadores, que devem atravessar um enxame interminável de monstros mortais, a fim de descobrir e derrotar o mal supremo por trás deles. Cada jogador possui um conjunto de habilidades únicas de combate que são representados por um baralho de cartas exclusivas para esse personagem. Jogue cartas para devastar as criaturas no seu caminho, ajudar seus companheiros de equipe a sobreviver ao ataque, ou mesmo remodelar o cenário tático com a aplicação de explosivos. A batalha é travada em três mapas de dificuldade crescente, cada um trazendo inimigos mais difíceis que o último. Os jogadores precisam completar os objetivos da missão, a fim de progredir e trazê-los a um passo do confronto final.

Com um clima meio Lovecraftiano, Fireteam Zero é um jogo que vai além de ser apenas um jogo de miniaturas em um tabuleiro. Pra quem anda cansado de jogos como Descent e Zombicide, Fireteam Zero irá agradar por oferecer uma história conectada ao cenário e monstros que são verdadeiramente assustadores. O jogo é muito tático e os jogadores precisam unir suas habilidades para cumprir suas tarefas. Como em jogos similares com miniaturas o resultado das batalhas é decidido por dados, mas a coincidência para por aí, já quem em Fireteam Zero são os que jogadores decidem sobre o número de dados rolados (até oito no máximo). As cartas com as quais os jogadores começam a partida devem ser usadas de maneira inteligente, por que tem sempre dois usos. Podem ser usadas para fazer um ataque, mas, além disso, podem ser usadas como uma tática no início da rodada.

Com uma caixa cheia de miniaturas, vários componentes e um CD com trilha sonora para ser usada durante as partidas, Fireteam Zero irá agradar totalmente qualquer grupo de jogo. Ele está atualmente em pré-venda e está sendo trazido ao Brasil pela Meeple BR. Quem quiser dar uma olhada no que vem na caixa se liga nesse vídeo de unboxing abaixo.

Anúncios

3 pensamentos sobre “5 Board Games Que Você Precisa Jogar Em 2017.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s