Livro Sobre Atlântida Serve De Inspiração Para Criar Mundos De RPG.

Capa baixaFalésias vermelhas, florestas criadas através de engenharia genética e edifícios piramidais transparentes: o mundo de “As Terras de Atlas” pode render um belo cenário para jogos de imaginação e interpretação de papeis, como RPG. O livro, lançado no dia 4 de junho, traz elementos diversos que são inspirados em mais de 10 anos de pesquisa sobre o tema por parte do autor.

De geografia à tecnologia, o universo de fantasia possui detalhes para todas as áreas. Assim como Tolkien e George R.R. Martin, seu autor, Bernardo Lynch de Gregorio, criou, por exemplo, três línguas fictícias para “As Terras de Atlas”. Mas a linguagem não é apenas a verbal como conhecemos hoje, os atlantes também se comunicavam por telepatia e fala imagética, na qual transmitiam mentalmente e diretamente imagens amplificadas pelos cristais de quartzo, sem qualquer forma material ou física de comunicação e nem palavras.

Quanto à geografia, Atlântida ficava no meio do Oceano Atlântico e tinha de deserto até falésias vermelhas, além da fauna e flora peculiar. Na Floresta do Sono da Morte, que cercava Posêida, havia criaturas e plantas tecnologicamente inventadas pelos sacerdotes, muitas com o objetivo de manter os moradores dentro da cidade, como as serpentes – que eram vistas como dragões rastejantes.

ilustracao - credito Bernardo Lynch de GregorioEm Posêida, por sua vez, um dos grandes destaques era a arquitetura. As torres e as pirâmides marcavam locais importantes dedicados a atividades sagradas e nobres, como templos e palácios. Além disso, os edifícios desafiam nossa imaginação: eram transparentes, atravessados pela luz do Sol. Alguns flutuavam acima de áreas verdes, sustentados por hastes estreitas e pela força dos cristais de quartzo. As construções eram entrelaçadas por pontes e túneis, formando uma rede intrincada de formas arquitetônicas arredondas.

Ainda havia outras tecnologias avançadas, como veículos aéreos flutuantes, teletransporte e transmissão de mensagens à distância. Para tudo isso, os atlantes de “As Terras de Atlas” utilizavam os cristais de quartzo, nos quais criavam marcas em sua estrutura interna para diferenciá-los dos normais. Gravavam a memória dos atlantes neles e usavam-nos para acessar seu inconsciente. Além disso, os cristais serviam como potência energética, mobilizando e direcionando a energia vital seja para a comunicação imagética ou para a engenharia atlante.

Para buscar inspiração para sua próxima aventura de RPG, mergulhe no livro “As Terras de Atlas”, disponível com preço promocional no site http://www.editorabarauna.com.br/as-terras-de-atlas-1188.html. Também fique de olho na página www.facebook.com/terrasdeatlas.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s