Batman v Superman: A Origem Da Justiça – Crítica.

the-hidden-plot-of-batman-vs-superman-dawn-of-justice-593860

Por Lelo Schirmer.

The red capes are coming

Enfim, chegou o grande dia. A estréia do filme (provavelmente) mais esperado da história da cultura pop. Responsável por levar para a sétima arte e mostrar em “carne e osso” o embate tantas vezes desenhado entre os dois maiores super-heróis dos quadrinhos: Superman e Batman.

E é justamente o impacto visual o ponto mais forte do filme. Ambientação e caracterização (efeitos sonoros, cenografia, fotografia e figurino) impecáveis, embaladas pela trilha sonora grandiosa (o que favorece muito a imersão) de Hans Zimmer, preparam terreno e oferecem todas as condições para que o último filho de Krypton e o morcego de Gotham triunfem nas telas.

trinity-1

A Santíssima Trindade dos quadrinhos.

Sim, Superman e Batman estão lá de uma maneira extremamente convincente. E, até quando, no momento crucial, o roteiro do filme escorrega feio, são personagens muito bem construídos e muito coerentes na relação entre seus históricos, suas motivações e suas ações. Para desespero dos haters, Ben Affleck entrega simplesmente O MELHOR Batman/Bruce Wayne do cinema, não só no visual, mas também na interpretação de um indivíduo desiludido e desgastado, ainda que incansável no cumprimento de sua missão. Usar um Batman “velho” foi uma das idéias geniais dos produtores. Já Henry Cavill é O Superman desta geração, muito mais complexa que aquela maniqueísta da guerra fria que permitiu a Christopher Reeve ser o herói que lutava pela “verdade, justiça e estilo de vida americano”. Embora continue personificando o poder e a bondade, Kal-El não pode mais se dar ao luxo de ser ingênuo ou submisso. Infelizmente, tal como no primeiro filme, há muito Superman e pouquíssimo Clark Kent, o que dificulta a conexão entre ele e o espectador. Tudo indica ser uma escolha consciente do diretor, para reforçar a divindade do herói, mas simplesmente não combina com o personagem que, apesar de tudo, sempre se esforçou para ser humano.

Orbitando em torno dos protagonistas, os coadjuvantes também funcionam muito bem. É bem verdade que a Mulher Maravilha merecia uma imagem mais forte (literalmente) e que Lex Luthor poderia ser um tipo psicopata menos “doidinho” e mais “gênio do mal” sombrio  (mesmo que só nos momentos mais íntimos), mas os dois têm ótimas cenas com os personagens principais. Também Lois Lane, Martha Kent e Alfred Pennyworth, estão bem caracterizados e funcionam como os “grilos falantes” de Clark e Bruce e apesar do inevitável pouco tempo de tela, proporcionam momentos e diálogos marcantes. Enfim, definitivamente não é dos atores a culpa do filme desandar da metade para frente.

Acontece que o diretor Zack Snyder e os demais envolvidos no projeto – exageradamente pretensioso desde o início – resolveram construir o enredo de Batman V Superman com base em duas sagas excepcionais dos quadrinhos (que serão prontamente identificadas pelos leitores), mas com propostas muito diferentes e que, portanto, não conseguem se conectar.

O roteiro parte das críticas (justas) feita ao anterior, com Bruce Wayne sendo uma metáfora do espectador de O Homem de Aço (o filme mesmo), em mais uma sacada genial e numa cena antológica. A partir daí, se desenvolve num ritmo cadenciado, com diálogos afiados, alternância entre os personagens e cenas de ação numa escala adequada, com efeitos visuais que servem ao filme (e não o contrário).

1157490.jpg-r_x_600-f_jpg-q_x-xxyxx

O vilão, Apocalipse.

Mas, de repente, a edição se perde e, com ela, o controle narrativo do diretor, que parece querer resolver tudo apressadamente e incluir mais e mais elementos da mitologia DC (inclusive apresentação desnecessária e em bloco de personagens da Liga da Justiça, num momento inoportuno e de forma a retirar todo o impacto de suas presenças). É como se Snyder, até então fazendo o que faz melhor e claramente bebendo das boas lições de Christopher Nolan, deixasse a direção do longa para Michael Bay. A perspectiva muda completamente e a edição confusa só piora quando o roteiro recorre a soluções muito preguiçosas, seja para justificar o confronto do título (e, pior ainda, para decretar seu fim), seja para explicar o vilão. Então, o filme que vinha se desenrolando como potencialmente o melhor já feito do gênero super-heróis, deixa de ser verossímil, escorrega além do limite do aceitável, tenta desesperadamente se salvar com excesso de computação gráfica e termina desperdiçando um dos momentos mais emblemáticos dos quadrinhos, porque já não tem o peso dramático necessário para sustentar suas cenas.

É mesmo uma pena, mas o veredicto é que Batman V Superman: A origem da Justiça começa muito bem, mas quando o trem descarrilha, já não há mais um Superman para salvá-lo.

Tell me, do you bleed?” You will”

Em tempo: sim, os trailer entregaram quase tudo (e mesmo assim conseguiram cortar algumas ótimas cenas deles do filme).

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s