Cenários Nacionais – Ideias De Aventuras.

Sem Título-1

Uma das coisas mais legais que existiam no final dos nos anos 90, início dos anos 2000, para os amantes de RPG, era o “Recado – RPG“, uma espécie de fanzine impresso pela Devir e enviado diretamente para a casa dos clientes, e dos jogadores, que preenchiam cadastro durante os eventos que aconteciam em São Paulo, principalmente durante o Encontro Internacional que era promovido pela editora anualmente na capital paulista.

No formato de uma folha A4 dobrada ao meio o “Recado – RPG‘ trazia notícias sobre novos produtos que seriam publicados pela editora, ou lançamentos que estavam saindo no exterior. Mas de vez em quando esses fanzines traziam ideias para aventuras, geralmente dos livros traduzidos recentemente pela Devir. Um dos seus números (eu tenho vários guardados em casa) veio com algumas ideias para aventuras usando cenários nacionais como fonte de inspiração para mestre e jogadores. Escrito por Lúcio Pimentel trazia ideias para Castelo Falkenstein, GURPS, Vampiro: A Máscara, que eram produtos de muito sucesso na época da editora, e para Desafio dos Bandeirantes.

A ideia de Lúcio Pimentel era a mesma que vários outros blogueiros, autores e mestres de RPG nos dias de hoje defendem: o uso do rico cenário nacional para ambientar as histórias, dando uma alternativa para aventuras criadas por autores estrangeiros que usam seus países de origem como cenários. Hoje em dia temos outros sistemas de RPG que podemos usar além dos citados acima. Por isso irei reproduzir algumas das ideias de Lúcio Pimentel citando estes novos RPGs existentes no mercado.

imagem_materia

O imperador D. Pedro II.

Cenário 1 – Segundo Reinado para Chamado do Cthulhu: Recentemente a Editora Terra Incógnita lançou no Brasil o Chamado do Cthulhu, RPG de grande sucesso e que tinha muitos jogadores por aqui mesmo antes de sua tradução. Infelizmente toda vez que ambientamos as aventuras imaginamos acontecendo fora do Brasil. O segundo reinado é um ótimo cenário para aventuras e vou demonstrar alguns motivos do porquê.

O Segundo Reinado é um período da história do Brasil que compreende 49 anos, do final do período regencial (1831-1840) à proclamação da República do Brasil (1889). Este período é de grande crescimento para o Brasil, com mudanças culturais e fortalecimento da nação no continente americano. Além disso houve a Guerra do Paraguai, um conflito sangrento que levou Brasil, Argentina e Uruguai a declarar guerra ao Paraguai e seu líder, Solano López, que pretendia controlar a navegação do Rio da Prata. Tivemos também incentivo a imigração, com vários italianos e alemães chegando ao país.

Esses elementos bem trabalhados podem dar grandes ideias para aventuras. Um achado inusitado durante a guerra, como um livro arcano perdido, ou a descoberta de um plano de Solano López para vencer a guerra usando criaturas dos Mythos. Talvez em uma dessas ondas de imigração para o Brasil tenha chegado pelas mãos de um alemão, ou italiano, um livro capaz de trazer uma dessas criaturas para nosso mundo. Este cultista acredita que vindo para esta nova terra, onde ele crê ter as condições ideias para um ritual, será possível invocá-lo, ou porque no Brasil há um componente que falta para trazer esta criatura, como um artefato trazido pela família real portuguesa quando fugiu do cerco de Napoleão Bonaparte, em 1808, para o Brasil.

Lúcio Pimentel também pensou em uma aventura usando o cenário para o RPG “Castelo Falkenstein“, a qual eu adapto aqui da seguinte maneira para CdC.

Chiquinha Gonzaga era uma compositora, pianista e regente brasileira. Foi a primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil, além de compor a primeira marcha de carnaval no Brasil. Os jogadores podem ser boêmios, amantes da arte, ou membros da sociedade que vão a uma das apresentações de Chiquinha, quando descobrem que ela foi raptada. Caso investiguem o porquê do rapto descobrem que um grupo de cultistas a irão usar para um ritual onde pretendem invocar uma das criaturas dos Mythos. O local onde irá acontecer o ritual é a Pedra da Gávea, local onde segundo as lendas indígenas repousa um gigante adormecido, e local considerado pelos nativos como amaldiçoado. Há embaixo dela um complexo de túneis que levam até o altar onde será feito o ritual. Os jogadores precisam correr contra o tempo antes que seja tarde demais.

9da80b3f552eeb1834e45cff7c93e4bc

A Era Vargas e o culto ao líder.

Cenário 2 – Era Vargas para Vampiro: A Máscara: A Era Vargas é o período da história do Brasil entre 1930 e 1945, quando Getúlio Vargas governou o Brasil por 15 anos de forma contínua. Período de grandes mudanças sociais e na forma de organização do trabalho no país, além de mudanças políticas profundas, com Vargas anulando as forças contrárias ao seu governo de forma autoritária. Segundo Lúcio Pimentel, a Era Vargas é excelente para um cenário de Vampiro: A Máscara por ser um período onde as grandes cidades brasileiras começam a reunir uma população suficiente para a Camarilla se interessar em montar sua rede de dominação. Com o fim da República do Café com Leite e o projeto de industrialização de Vargas, trazendo trabalhadores para as grandes cidades, fugindo da área de influência política dos coronéis e barões do café, as cidades brasileiras começam a se tornar mais populosas e complexas. Nesse momento começas a surgir os primeiros príncipes das novas cidades, as intrigas dos primogênitos, hárpias e todos que estão nas disputas por poder interno da Camarilla. Dá até pra fazer uma campanha explorando a briga de grupos pelo principado de uma cidade onde havia vampiros, mas não da Camarilla, como Giovannis que chegaram com as primeiras ondas migratórias de italianos no período colonial, ou Assamitas que vieram com os imigrantes árabes. De repente alguns Kuei-Jin, que vieram com os imigrantes japoneses, estejam controlando o bairro da Liberdade, em São Paulo, e os Cainitas precisem derrotá-los para ter o domínio total da cidade em suas mãos.

Há também o surgimento de partidos políticos que podem ser reflexos das guerras secretas travadas pelos cainitas nas sombras, como o Partido Integralista de Plínio Salgado, que apoiam o fascismo que assolava a Europa, assim como a Aliança Nacional, de Luis Carlos Prestes, de orientação comunista. Eles podem ser representantes de grupos opositores ao controle do Príncipe, que apoia Vargas, sendo os Integralistas sustentados por Nosferatus e até mesmo Giovannis, enquanto que os comunistas podem ter o apoio dos Brujahs, ou até mesmo do Sabá! Tudo isso é investigado pela polícia secreta do governo, controlada por Filinto Müller, que é um carniçal de confiança do Príncipe. Ele é responsável pela tortura e assassinatos de possíveis ameaças ao governo, além da DIP (Departamento de Imprensa) exercer censura total sobre os meios de comunicação da época.

timthumb

A seca do sertão nordestino.

Cenário 3 – Sertões para Dust Devils: Baseado na obra de Euclides da Cunha, o sertão nordestino do final do século XIX, início do século XX, retratado na obra é um lugar para gente com culhões, então nada melhor do que um RPG que explora isso. Tendo já o próprio terreno, devido a seca que assola a região, como um inimigo, existem ainda outros desafios, como famílias poderosas que exploram os pobres, através de jagunços sanguinários que não hesitam em matar qualquer um, mantendo a “ordem” através do abuso e da violência contra os mais fracos. Beatos que reúnem multidões prometendo salvação pela fé, além de cangaceiros, que desafiam a ordem estabelecida através do banditismo selvagem.

Uma ideia para aventura seria na qual os jogadores são jagunços a serviço de um fazendeiro poderoso da região que descobrem que a fazenda foi saqueada por uma família rival, e a volante (tropa) do exercito começa a persegui-los como os culpados pelo ato. Sem ter para onde ir eles precisam vingar a morte do seu protetor, atacando a fazenda rival, e limpar seus nomes para não terem que virar cangaceiros, o que os fariam ser perseguidos por todo o nordeste, tendo a cabeça a prêmio.

ditaduraw1181h827

A ditadura e luta contra a repressão.

Cenário 4 – Ditadura Militar para Savage Worlds: A Ditadura militar no Brasil teve seu início com o golpe militar de 31 de março de 1964, resultando no afastamento do Presidente da República, João Goulart, e tomando o poder o Marechal Castelo Branco. Este golpe de estado, caracterizado por personagens afinados como uma revolução instituiu no país uma ditadura militar, que durou até a eleição de Tancredo Neves em 1985. Os militares na época justificaram o golpe, sob a alegação de que havia uma ameaça comunista no país.

Em 1968, no auge da repressão, foi publicado o Ato Institucional nº5 (AI-5), que retirava de todos os os cidadãos os direitos civis e políticos por tempo indeterminado. Os partidos são extintos, a imprensa censurada, sindicatos e associações civis fechadas. Qualquer tipo de oposição é silenciada. Os jogadores podem ser manifestantes contrários ao governo e ao regime militar, podendo ser músicos que passam através da música sua mensagem contrária a ditadura, guerrilheiros revolucionários do VAR-Palmares (do Capitão Lamarca) ou ALN (de Carlos Marighela). A ideia é fazer uma aventura cheia de intriga, sem saber em quem confiar, com muita ação e medo de ser pego pelas forças do governo.

Como ideia para aventura os jogadores vivem na clandestinidade e sabem que alguns jornalistas foram presos e estão sendo torturados nos porões do DOI-CODI, no RJ. Eles possuem um plano de sequestrar uma pessoa influente do governo e fazer uma troca de prisioneiros, mas não suspeitam que entre eles pode existir um traidor.

Espero que as ideias tenham sido de utilidade. A intenção não é especificar toda a aventura, mas apenas plantar uma sementinha na cabeça dos mestres para que possam desenvolver a aventura, mas nada impede que dependendo do interesse e comentários na postagem possamos ampliar a ideia de uma delas e detalhar melhor a aventura. Fico no aguardo dos comentários de vocês.

Anúncios

8 pensamentos sobre “Cenários Nacionais – Ideias De Aventuras.

  1. Excelente artigo!
    Sempre mestrei em cenários internacionais. Mas quanto mais o tempo passa, mais me sintyo a vontade em abordar o cenário nacional sem clcihes ou paródias e sátiras. Sonho de consumo de concluir uma adaptação para o Mundo das Trevas do cenário nacional rss

    • A ideia é essa, Lucas. Despertar nos mestres e jogadores a vontade de usar nosso rico cenário nacional nas aventuras. Dá uma olhada em outros artigos do meu blog que vc vai ver outras ideias para ambientar as aventuras por aqui.

  2. Boa matéria André, dá para ver o esforço aplicado, parabéns! Você entregou ótimos inícios de campanha, dá para mandar uma Aventura Rápida em pouco tempo só com suas dicas, vou pensar nisso por um bom tempo. Eu acho que temos bastante conteúdo nacional, histórico e criativo, para criarmos nossas histórias e nossos cenários. Resta esse povo criador sair da toca e botar a mão na massa, como a iniciativa Lamento de Tupã. Espero um dia contribuir de alguma forma.

    • Valeu, Vítor! Realmente temos muito potencial, basta a galera começar a colocar a mão na massa. O Blog RPG Nacional, do meu amigo Silva Pacheco, é excelente para dar ótimas ideias de aventuras. E não esqueça de quando contribuir compartilhar conosco. Um abraço.

  3. Excelente André!!! Eu geralmente crio aventuras em território tupiniquim… e vc me deu excelente ideias!!!!
    Agora só preciso de players!! ahahahaha! Tá osso achar player aqui em SP viu!!

    • Valeu, Fernanda! Eu acredito e muito em cenários nacionais. Podemos fazer muita coisa boa usando nossa história, nossa cultura, folclore, lendas e mitos. Além do que nossas cidades não ficam em nada atrás das grandes cidades no mundo. Quando quiser venha a Vitória/ES jogar com a gente! Um abraço.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s