11 Maneiras De Ser Um Roleplayer Melhor.

Sem Título-1

Lá vamos nós com as dicas de mestre novamente. Desta vez irei abordar como os jogadores podem contribuir melhor com uma sessão de RPG através de uma melhor participação de seus personagens na aventura. Para isso estarei me baseando no artigo de 11 ways to be a better roleplayer publicado no blog “Look, Robot“, escrito por Grant em 2013. Em seu artigo o autor enumera 11 pequenas coisas que podem fazer a diferença quando estamos jogando RPG, contribuindo para a história avançar em seus objetivos e a sessão ser mais divertida para todos. Melhor do que traduzir pura e simplesmente o artigo irei analisar cada item destacado por ele procurando ver em nossa realidade de mestre e jogador as situações demonstradas e comentá-las.

1 – AJA SEMPRE.

Pensar em quais são os objetivos do seu personagem, e tomar ações para alcançá-las, é uma das primeiras dicas de Grant, e tenho que concordar com ele. É muito chato estar em uma mesa de jogo, narrando uma aventura, e ter que ficar dizendo para o jogador o que ele tem que fazer. Imaginar-se na aventura, na situação na qual seu personagem se encontra, e tomar decisões por ele, é uma das primeiras coisas que qualquer roleplayer tem que ter em mente quando se sentar para jogar uma sessão de RPG. Ficar aguardando o mestre perguntar o que você deve fazer e dar ainda as alternativas cansa e torna a aventura uma sessão de questionário sobre o que o personagem faria ou não.

2 – MOSTRE O QUE SEU PERSONAGEM É E O QUE FAZ.

Não adianta você combinar com o mestre como é seu personagem, escrever aquele prelúdio de várias páginas, se na hora da sessão você não atuar como seu personagem e ficar sentado mudo no canto. Se ele gosta de música, demonstre isso. Se ele é curioso, demonstre curiosidade. Ninguém conhece seu personagem, e sim você, jogador. Se você não apresentá-lo, e isso não deve ser feito lendo a história ou o prelúdio dele mas através de pequenas ações no jogo, ele passará desapercebido na sessão e ninguém se lembrará dele.

3 – NUNCA CONTRADIGA UMA AÇÃO.

Não tente negar a ação tomada por outro jogador, ou pelo mestre. Ao invés disso mantenha a ação rolando. A negativa no jogo, ou seja, quando se tenta anular uma ação anterior através da sua, é algo muito ruim para o jogo e para os amigos que estão tentando apenas se divertir. O que geralmente acontece nessas situações é que rola uma discussão entre jogadores, ou entre jogador e mestre, que é desnecessário para a sessão. Ao invés de negar uma ação, construa algo a partir daquela. Fica mais interessante e mais divertido.

4 – ASSUMA O CONTROLE DO SEU PERSONAGEM.

Essa dica é mais voltada para jogadores que gostam de dizer simplesmente que seus personagens não fariam determinada ação e pronto. Ao invés de simplesmente dizer isso, seria interessante para a aventura colocar uma questão moral naquela ação, como o porquê ele está fazendo aquilo, quando na verdade seus padrões de conduta dizem o contrário. Como exemplo o autor cita a obra “O Senhor dos Anéis” e o personagem Frodo, que apesar de preferir ficar no Condado teve que colocar a mochila nas costas e ir em direção a Mordor para salvar o mundo.

5 – NÃO PREJUDIQUE OS OUTROS JOGADORES.

Aqui vai uma dica que, apesar de não ser muito respeitada em muitas mesas que já vi, deveriam ser mais seguidas. Evitem roubar o item da mochila do outro jogador, preparar uma armadilha para ele, deixar morrer, etc, somente porque você não gosta de outra pessoa, ou porque acha que será engraçado para a sessão, porque pode criar problemas. O principal problema será desviar o foco da aventura para esses joguinhos mentais entre dois ou mais jogadores na mesa ao invés de resolver o problema proposto pela aventura. Além de criar problemas entre jogadores o restante dos participantes da mesa se sentirão menos atraídos a jogar novamente da próxima vez.

6 – CONHEÇA O SISTEMA.

Essa é uma dica primordial. Conhecer o sistema de jogo, suas regras, seus atalhos, ajuda e muito no roleplaying. Isso porque você irá saber dos limites do seu personagem e como reagir em determinadas situações da aventura. Mas o principal aqui é: NÃO DISCUTA REGRAS! Ser advogado de regras é um dos papeis mais chatos que existe em uma mesa de jogo. Deixe o mestre conduzir a aventura, e no final, se você tiver alguma observação, converse com todos sobre o que você acha que estava errado. Eu sempre estou corrompendo as regras quando acho que elas estão atrapalhando o ritmo da história, e elas não devem ser discutidas durante a ação.

7 – CONCENTRE-SE NO JOGO.

Essa dica é para os jogadores que gostam de ficar na mesa com celular ao lado postando em redes sociais, mandando mensagens, atendendo ligação de amigos, e fazendo outras coisas do que prestar atenção na narrativa e no que está acontecendo na aventura. Isso é chato, é falta de educação e de respeito com todos que se propuseram a jogar. Muitos deixaram de fazer algumas coisas para estarem ali, e você não dá a atenção necessária ao grupo. É muito chato ter que ficar aguardando o jogador terminar de falar ao telefone, repetidamente, e ter que a todo momento explicar onde parou a ação e o que aconteceu até ali. Preste atenção ao jogo!

8 – NÃO SEJA DESAGRADÁVEL.

Em tese a sessão de RPG é feita para reunir amigos e se divertir durante algumas horas, esquecendo nosso dia-a-dia de trabalho, deveres, stress, etc. Então não tem sentido ser desagradável com as pessoas que estão sentadas com você na mesa para jogar. Discussões, provocações e brigas devem ficar fora de uma boa sessão de RPG, e pedir desculpas quando sentir que foi grosseiro com alguém é uma regra de boas maneiras.

9 – SEJA UM CONTADOR DE HISTÓRIAS.

Não espere que apenas o mestre seja o contador de histórias na mesa, mas ajude na sessão narrando sua ação também. Dizer apenas qual seria sua ação é algo muito mecânico e sem graça. Narre sua ação, entre no clima da aventura. Uma das coisas que mais gosto no estilo narrativo-colaborativo de jogar RPG é isso, a possibilidade de TODOS serem narradores um alguma parte da aventura. Entre no clima e ajude o mestre a contar sua história.

10 – ACEITA SUA FALHA.

Eu entendo que falhar durante uma ação na aventura é chato, mas já que falhou, transforme sua falha em algo legal pra aventura. Nem sempre falhar significa que a aventura vai se tornar menos interessante, ou será um completo fracasso. Se você nunca jogou Fiasco talvez não entenda, mas acredite, pode ser divertido falhar. Não tente reverter sua falha apenas para ver sua ação dar certo. Falhou? Narre sua falha, aproveite-a na aventura, torne memorável ou interessante para a história. Explore as consequências de sua falha, e não seja um pé no saco pedindo pra rolar o dado novamente.

11 – JOGUE E DIVIRTA-SE

Lembre-se porque você e seus amigos se reuniram naquele dia pra jogar e procure se divertir. Você não está ali para se auto-afirmar, nem para brigar com ninguém, nem para criar confusão, mas simplesmente para participar de uma aventura na qual seu personagem faz parte e pode ser uma peça importante da história que está sendo contada. Você não é a estrela única naquela aventura, mas faz parte de um grupo, portanto procure agir em conjunto. O RPG não tem vencedores ou perdedores, mas apenas pessoas que se reuniram para ouvir uma boa história e jogar uma sessão ao lado dos amigos. Deixe a diversão comandar tudo.

Espero que essas dicas dadas pelo Grant, e altamente recomendada por mim, possam ser úteis na próxima vez que você se sentar com seus amigos para uma sessão de RPG. Se conseguir seguir pelo menos boa parte delas, garanto que sua experiência de jogar RPG será diferente e mais divertida.

Anúncios

14 pensamentos sobre “11 Maneiras De Ser Um Roleplayer Melhor.

  1. Achei o artigo muito bom. Penso que seria interessante ter algumas folhas impressas com essas dicas preparadas para alguma eventualidade. Talvez até distribuir no início de uma aventura e ou campanha.

  2. Ótimas dicas, sobretudo a 2, que é muitas vezes não é percebidas pelos jogadores que são dedicados, criam uma história interessante para seu personagem, desenvolvem como ele será, mas na hora do jogo não deixam isso transparecer.

    • Sim. Eles esquecem que o personagem está somente na cabeça deles, e para que ele se torne visível para os outros precisa trazer a personalidade do personagem para a mesa através de ações ou falas marcantes. Senão ele passará desapercebido.

  3. Ótima postagem, parabéns. Há anos que só mestro RPG sem participar como jogador e realmente, vi que o texto sintetizou tudo que o mestre necessita que os jogadores façam para que a história flua.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s