Os Vampiros em Witchcraft.

wcheader

Como havia prometido, quando escrevi o artigo sobre os Ferals (se você não leu clique AQUI), farei uma resenha sobre os Vampiros em Witchcraft (quem ainda não conhece o RPG e o cenário clique AQUI)

ORIGENS:

Capa do livro básico.

Os Vampiros de Witchcraft são um dos tipos de Mortos-Vivos (Undeads) existentes no jogo. Existem também os Relentless Dead (tipo Jason de “Sexta-feira 13” ou Michael Myers de “Halloween”) e Zumbis, estes usados apenas como NPCs. Os Vampiros são as criaturas sobrenaturais de maior número entre todas as que povoam o mundo. Eles vivem escondidos se misturando entre os humanos nas grandes cidades, caçando suas vítimas de maneira cuidadosa e sem deixar pistas. Um vampiro é criado quando um ser humano quebra o ciclo da vida e da morte e retorna com sua alma para seu corpo, mas pagando um preço muito alto por isso.

Uma pessoa se torna um vampiro de três maneiras:

  • sendo transformado por outro vampiro;
  • se recusando a seguir para o mundo dos mortos após sua morte;
  • ou após cometer suicídio.

Gravura do século XIII descrevendo o retorno a vida de um vampiro.

Após morrer, seja por qual motivo, todo mundo vai para um lugar chamado Limiar, um local de passagem para as almas antes de serem enviadas para seu destino final, que pode ser para os planos superiores de existência ou os planos inferiores. Muitas vezes o falecido descobre o que lhe aguarda na pós-vida, tendo sua alma enviada para um local de sofrimento e dor onde ficará pela eternidade, e para evitar esse destino retorna para seu corpo. Esse ato de desespero provoca uma profunda mudança na essência básica da alma, causando uma transformação para algo que não é nem vivo nem morto, sem a capacidade de manter a essência vital que nos mantêm vivos em nossos corpos e tendo que se alimentar dos vivos para permanecer em sua mórbida condição.

Às vezes é o próprio vampiro que matou sua vítima quem traz a alma do morto de volta do Limiar, já que os Vampiros podem entrar e sair do Limiar quando quiserem, apenas para vê-lo transformado em um morto-vivo também. Outros vampiros o fazem porque desejam companhia para sua não-vida imortal e fica ao lado do recém criado vampiro pronto para ajudar a entender o que está acontecendo como também encobrir os traços de evidência do que poderia ter acontecido até a transformação. Diferente de outros cenários onde o Vampiro criado possui um elo com seu mestre isso não acontece em Witchcraft. O novo Vampiro pode até mesmo nem ter os mesmos poderes e fraquezas de quem o criou, sendo possível nascer um vampiro completamente novo.

A EXISTÊNCIA

A face de um vampiro.

Uma das primeiras coisas que é preciso se saber sobre os vampiros é que eles não sentem emoções. Pelo menos não da mesma maneira que os humanos. Eles podem sentir sentimentos nobres, como amor e compaixão, mas de uma maneira destorcida e na qual somente eles podem entender. Diferentemente do que se acredita, entretanto, os vampiros podem experimentar os prazeres da carne. Desde que estejam completamente abastecidas de essência essas criaturas podem experimentar prazeres que nenhum ser humano pode. Eles adoram música, arte e prazeres sexuais, sendo mestres neste assunto. Vampiros podem consumir álcool e drogas, mas eles não produzem nenhum efeito em seus corpos.

A “fome” é a principal desvantagem de sua nova condição. Para manterem-se vivos (ou mortos-vivos) e com o semblante de seres humanos normais (nem tanto) os vampiros precisam constantemente se abastecer de essência. Essa essência deve vir de seres vivos, queiram eles dar essa essência ou não, ou que saibam ou não que estão sendo sugados de sua essência. Não há necessidade de se matar a vítima para tirar a essência, mas alguns vampiros sádicos fazem isso por puro prazer. Não existe nem mesmo a necessidade de se sugar o sangue para se alimentar de sua vítima. Existem várias maneiras diferentes de se tomar a essência, mas alguns adotam o hábito de sugar o sangue de suas vítimas pelo puro prazer que proporciona ao vampiro.

TIPOS DE VAMPIROS

Existem vários tipos de vampiros diferentes. Eles são determinados no momento de sua criação e são divididos pela maneira como tomam a essência de suas vítimas. Essa maneira provém muitas vezes da vida anterior que o vampiro tinha e determina seu tipo. Em hipótese alguma isso é considerado algo como um clã ou raça, apenas uma separação da espécie.

Bardos – Vampiros que sugam essência de um grande público durante um show ou apresentação artística, como uma peça de teatro. O vampiro precisa instigar na platéia uma adoração a sua pessoa para que possa se alimentar do seu público;

Magus – Vampiros que se alimentam da essência dos magos quando estes estão fazendo magia! São raros esses tipos de vampiros, e os que existem também são chamados de Witch Killers ou Mage Hunters;

Muse – vampiros que se alimentam da essência liberada pelos artistas durante o momento de suas criações. Muitos vampiros muses são responsáveis por ateliers de arte ou são mecenas, financiando artistas e ficando próximos a eles enquanto eles produzem seus trabalhos. Dizem que Van Gogh arrancou uma de suas orelhas em um momento de loucura quando estava sendo sugado por um vampiro muse;

Phobi – Vampiros, parecidos na aparência com os Nosferatus, de Vampiro: A Máscara, que se alimentam dos pesadelos que provocam em suas vítimas no mundo dos sonhos. Existe um grupo, chamados Harrowers que utilizam os sonhos para relembrar suas vítimas de momentos tristes e humilhantes, ou então criam esses pesadelos e recolhem a essência liberada por elas.

Sádicos – Se alimentam dos momentos de dor e agonia de suas vítimas, principalmente quando estão morrendo.

Sangue-Sugas – Os que se alimentam de essência bebendo apenas sangue de suas vítimas;

Sucubbi/Incubbi – Vampiros que se alimentam de suas vítimas durante o ato sexual;

Withers – vampiros que ao simples toque em suas vítimas extraem essência delas e transfere para si, envelhecendo suas vítimas no processo ao mesmo tempo em que mantêm sua própria aparência de jovens e belos.

PODERES:

Entre os poderes que os Vampiros possuem estão: poder se transformar em lobo, morcego ou névoa; manipular emoções, instigando amor ou medo no seu alvo; criar ilusões; e fazer crescer garras. Além disso, os vampiros podem usar magia e necromancia. Eles podem entrar e sair do Limiar quando desejam, sem nenhum tipo de restrição ou teste. Um vampiro também é invulnerável e boa parte das armas de fogo só fazem retardar o vampiro em caso de ataque. Eles podem sentir dor e entrarem em choque devido ao dano, mas recuperam os pontos de dano sofridos ao final do turno igual ao seu nível de força de vontade. Ao contrário da crença popular estacas no coração do vampiro não fazem mais dano do que qualquer outro tipo de arma e nem mesmo o paralisam.

FRAQUEZAS:

Um vampiro Phobi.

Entre as fraquezas dos vampiros a pior está em não poder recuperar essência normalmente, tendo que tomá-la dos seres vivos. Manter a aparência de vivo custa 2 pontos de essência por dia, apesar de ainda não ter os sinais vitais de uma pessoa viva. Se um vampiro não quiser ou não puder gastar esses pontos de essência diária ele entra em um estado de animação suspensa, precisando gastar 2 pontos de essência para sair dela. Se um vampiro ficar com seu poço de essência negativo ele corre o risco de ter sua alma enviada de volta ao Limiar sem poder sair de lá novamente, seguindo o curso natural das pessoas mortas e até mesmo podendo vir a reencarnar em alguns anos. Caso seja um vampiro com vários séculos de existência sua alma pode ser destruída, sem ter nem mesmo a chance de ir para o mundo dos mortos. Para tomar essência de uma vítima o vampiro precisa instigar uma forte emoção nela, como amor, ódio ou, medo. Dessa forma uma vítima pode dar ao vampiro de 1D6 a 1D8 de essência por turno. Em casos extremos podem até mesmo dar 1D10 caso o vampiro seja especialista na arte de sedução e prazer sexual.

Os vampiros são vulneráveis a luz do dia. Ao contrário da crença popular eles podem agir e estarem ativos durante o dia, mas o custo em essência é enorme. 1 ponto de essência é drenado por minuto, até mesmo se estiver nas sombras ou em total escuridão durante o dia. A luz do sol além de drenar essência causa dor ao vampiro infringindo nele uma penalidade de -1 em todas as suas ações. Para minimizar a perda de essência muitos vampiros preferem dormir durante o dia, escolhendo lugares completamente escuros para se protegerem. Para acordar durante o dia um vampiro precisa fazer um teste difícil de força de vontade com uma penalidade de -2.

Matar um vampiro é algo realmente difícil. Decapitá-lo parece cortar o link entre a criatura e sua alma, mas não é garantido. Alguns são tão poderosos que parecem ser capazes de se regenerar mesmo assim. A única maneira garantida é fazer um ritual após incapacitá-lo. O vampiro deverá passar em um teste difícil de força de vontade com uma penalidade de -1 por nível de sucesso conseguido pelo líder do ritual que deverá fazer um teste de Inteligência mais Teologia. Às vezes o líder do ritual pode trocar Teologia por Conhecimento do Oculto (Vampiros) ou Rituais (Vampiros). Se o vampiro perder a disputa ele perderá 1D10 x 10 pontos de essência quando o ritual for completo, o que pode acabar destruindo seu corpo. Se queimado ou exposto a luz do sol como parte do ritual ele perderá 1D8 pontos de essência por minuto até ser destruído.

ASSOCIAÇÕES:

Os vampiros não possuem clãs ou coisas do tipo, como dito anteriormente, mas as vezes eles se reúnem em algumas associações por conta de interesses comuns. Existem duas associações de magos os quais os vampiros construídos pelos jogadores podem fazer parte, e duas nas quais os vampiros NPCs podem ser membros.

Irmandade de Judas (a.k.a Iscariotes)

Vampiro preparado para atacar sua vítima.

A idéia aqui é que o primeiro vampiro (deste grupo, pelo menos) era uma figura bíblica. Mas não foi Caim, e sim Judas Iscariotes. Parece que ele ficou com tanto remorso por sua traição a Cristo que além de se enforcar posteriormente retornou do túmulo como um vampiro, determinado a fazer as pazes por seu crime. Para esse fim, ele começou a juntar outros criminosos que se arrependeram de seus crimes – antes ou depois da morte – e tornando-os vampiros. Juntos eles começaram a proteger o cristianismo e geralmente combatendo o mal onde estivesse. No processo eles entraram em conflito com o misterioso Combine, um grupo no estilo MIB e Arquivo X que está por trás das grandes farsas e conspirações mundiais, fazendo com que os Iscariots se tornassem nos dias de hoje Teóricos da Conspiração. Assim nos Iscariots você tem um grupo formado principalmente por vampiros geeks em busca de redenção.

Casa de Thanatos

A primeira (e talvez até segunda) vista, este grupo parece ser um quase gêmeo da Ordem do Crepúsculo. A diferença entre os dois é bastante sutil e tem a ver com os seus respectivos focos. A Ordem de Crepúsculo parece mais preocupado em proteger e manter os ciclos da vida e da morte, enquanto os Thanatoi procuram dissolver as barreiras que separam os dois mundos completamente. Além disso, a Ordem de Crepúsculo não costuma aceitar Espíritos ou mortos-vivos, como membros, enquanto muitos dos Thanatoi são tais seres. Se você ainda não sabe nada sobre a Ordem do Crepúsculo e os necromânticos clique AQUI.

Entre as associações nas quais os vampiros como NPCs podem fazer parte estão os cultos de magia negra ou de necromancia que desejam poder ou controlar os mortos em benefício próprio, principalmente o Culto da Dor. Mas na maior parte do tempo os vampiros como NPCs são vistos agindo sozinhos ou com sua legião de crias a volta.

No próximo artigo sobre Witchcraft irei falar sobre os Mockers. Pessoas que já serviram aos Mythos do Cthlhu enlouqueceram e voltaram para combater essas criaturas e seus seguidores. Até a próxima.

Anúncios

13 pensamentos sobre “Os Vampiros em Witchcraft.

  1. Gostei André. Inclusive, essa abordagem da maldição vampírica serve como sistema explicativo de qualquer mito vampírico na literatura, no cinema/tv ou no folclore.

    Gosto muito do Vampiro a Mascara e do Requien, mas sempre achei difícil conciliar a ambientação deles com os mitos. Por exemplo, se apenas gangreis e alguns poucos cainitas viram névoa, lobo ou morcego, ou tem garras (ou sejam tem metamorfose), como justificar que a metamorfose é uma das características mais paradigmáticas dos vampiros, se os seres humanos em tal ambientação teriam poucas (quase nenhuma) possibilidade de se defrontar com um vampiro com esta habilidade? Poxa, dava pra casar as ideias de Witchcraft com o brasileiro Vampiros Mitológicos, a ambientação do VM ficaria mais coesa e atraente.

    Só me tira uma dúvida sobre a questão da alimentação André, cada indivíduo só é capaz de alimentar-se de uma única forma? Um vampiro bardo não poderia ter também gostos mais escusos que satisfazesse na privacidade, fosse um gosto por sangue ou por essência advinda de práticas sadomasoquistas? Ou seja, podendo alimentar-se de formas distintas.

    • Realmente os mitos dos Vampiros ficam muito melhores em Witchcraft, pelo menos na minha opinião. Quanto a sua pergunta, pode sim. Um Bardo pode ter outras maneiras de se alimentar. Logicamente ele será um Bardo porque aquela maneira de se alimentar da platéia é algo que somente os bardos fazem, ao passo que sugar sangue pode ser feito por qualquer vampiro.

  2. Reblogged this on O Velhinho do RPG and commented:

    Conhecem os vampiros de Witchcraft, RPG sobrenatural que mistura magos, mortos-vivos, espíritos e licantropos em um mundo cercado pela magia moderna? Então cliquem e confiram esse artigo que fez muito sucesso com meus leitores.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s